Vendedor se acorrenta em praça para receber remédios caros da filha, na Paraíba
04/05/2016 14:52 em Brasil

Um vendedor ambulante de 34 anos está acorrentado desde essa terça (3) em uma praça pública cidade de Uiraúna, no Sertão da Paraíba, a 472 km de João Pessoa, cobrando a entrega dos medicamentos especiais por parte da prefeitura local, para filha de três anos, que é portadora de uma doença rara. Flávio Coelho também iniciou uma greve de fome.

Ao Portal Correio, Gigliola do Nascimento, esposa de Flávio e mãe da criança, disse que o juiz local determinou que a prefeitura arcasse com as despesas com os medicamentos e alimentação especial. Entretanto, o governo municipal estaria descumprindo a ordem judicial.

“Minha filha tem encefalopatia metabólica decorrente de acidúria glutárica tipo I – que é uma doença no metabolismo, além de alergia a proteína animal. Ela precisa de uma série de remédios caros para sobreviver, além de transporte semanal para realização de exames em Campina Grande. O juiz já determinou que a prefeitura arque com os custos, mas os gestores dizem que não tem condição de pagar R$ 10 mil mensal. Eles falam que é para o governo do Estado ajudar”, disse a mãe.

Flávio disse que a filha está na última lata de um leite especial – que vem da Alemanha. “Antes que o alimento acabasse, eu resolvi agir logo e como não vi solução, a maneira foi fazer greve de fome e me acorrentar para chamar atenção das autoridades sobre o problema”, lamentou.

O problema de saúde da criança foi diagnosticado há um ano quando a menina começou a apresentar os primeiros sintomas. A família humilde sobrevive com o benefício do INSS de um salário mínimo. A mãe não trabalha e o pai é assalariado.

Em nota, a Prefeitura de Uiraúna informou que a maior parte das solicitações já está sendo atendida. Alguns insumos eram de difícil acesso devido à falta de dinheiro no Fundo Municipal de Saúde. O Município solicitou que o Ministério Público oficiasse o Estado da Paraíba para fornecer o Botox, o Boton e o leite Oligomarc, já que as demais necessidades da criança estavam sendo atendidas. Porém, o Ministério Público entendeu que apenas o Município deveria arcar sozinho com todas as despesas.

O governo municipal confirmou que a Secretaria Municipal de Saúde está fazendo o pedido do leite Oligomarc, que é importado e de valor mais alto, que falta na alimentação da criança. Além disso, está providenciando os demais encaminhamentos para que o Estado libere o Botox

Fonte:Portal Correio

COMENTÁRIOS